7 SINTOMAS INICIAIS DE DIABETES: Sinais de alerta de excesso de açúcar no sangue (diabetes a caminho)

Introdução

Olá! Seu nível de glicose está normal ou está acima do normal? Hoje, vou falar sobre os 7 SINAIS DE ALERTA que você pode ter diabetes. E por que é importante que você entenda melhor essa doença? Simplesmente porque a cada 10 segundos, uma pessoa morre no mundo de complicações relacionadas ao diabetes.

O diabetes mata 3,5 milhões de pessoas no mundo a cada ano e as previsões indicam que esse número pode aumentar em 25% na próxima década. Então, fique ligado! Vou dividir esse vídeo em 2 partes: a primeira parte trata dos 10 primeiros sinais e sintomas do diabetes – aqueles que você pode ver ou sentir que algo não está certo, os sinais de alerta! E a segunda parte – que eu acredito ser a mais importante – vou falar sobre prevenção.

Algumas medidas que podem reduzir seu risco de desenvolver diabetes – quais hábitos você deve adotar e quais alimentos você deve consumir para evitar essa doença?

Os 7 sinais de alerta

Quais são os 7 sinais de alerta que você deve prestar atenção e que indicam que sua glicose pode estar acima do normal?

7º sintoma: urinar demais

Você está urinando demais? Sabia que a palavra “diabetes” vem do grego para “sifão”, sim urinar demais, fora de controle. “Mellitus” vem do latim para “mel”, porque os médicos costumavam provar a urina e ver que ela tinha um gosto doce. Tanto que quando pessoas com diabetes descompensado urinam, ela pode encher o vaso sanitário de formigas. Isso ocorre porque o açúcar na sua urina é o açúcar que seu rim libera. Seu corpo simplesmente não consegue processar o açúcar corretamente e o libera junto com sua urina. E urinar com açúcar desidratará a pessoa, pois a glicose leva a água junto com ela, causando diurese osmótica. É por isso que pessoas com diabetes também têm muita sede! A boca está seca, a garganta está seca porque está urinando com açúcar e se desidratando. Urinar demais, beber muita água são sintomas clássicos do diabetes dos quais você deve estar ciente.

6º sintoma: fadiga e cansaço

Não é apenas cansaço e sonolência quando se dorme mal. Muito pelo contrário, às vezes você dorme bem e sente essa fadiga excessiva o tempo todo. Isso pode ser um sintoma de diabetes. De acordo com a American Diabetes Society, mais de 60% das pessoas que são diagnosticadas com diabetes tipo 2 experimentam fadiga excessiva. Isso é simplesmente o segundo sintoma mais comum do diabetes. Isso tem a ver com a falta relativa de açúcar nas células e o excesso de açúcar no sangue. Ou seja, o açúcar não entra corretamente nas células e as células ficam sem energia, causando fadiga e cansaço.

5º sinal: mudanças na pele

Esteja atento à sua pele. Existem duas principais mudanças que você deve procurar: a primeira é chamada de acanthosis nigricans. São manchas escuras na pele que se formam especialmente nas dobras do pescoço, axilas ou virilha que podem ser macias e aveludadas.

Dê uma olhada no seu pescoço ou embaixo das suas axilas. A pele está mais escura do que o normal? Você esfrega, esfrega e passa pomada, mas não clareia. Isso não é sujeira! Isso é um sinal de resistência à insulina.

A acanthosis nigricans me diz que você tem uma alta chance de ter diabetes ou ter diabetes no futuro. Por que isso acontece: Como mencionei, muitas vezes com pré-diabetes ou diabetes tipo 2, o seu corpo pode produzir insulina em excesso.

E esse excesso de insulina faz com que as células da pele se dividam mais rapidamente. Para pessoas com pele mais escura, essas novas células contêm mais melanina. E é esse aumento de melanina que produz as manchas na pele.

E as segundas mudanças às quais você deve prestar atenção são essas lesões verrucosas. Acrocórdons. Onde eles aparecem? No pescoço, embaixo do braço, na virilha, onde essas manchas mais escuras aparecem na pele. Isso também tem a ver com resistência à insulina. Se você é diabético ou pré-diabético, controlar bem a sua glicemia ajuda a evitar o surgimento desses pólipos fibroepiteliais. Muitas pessoas acham que eles são feios.

4º sintoma: formigamento e queimação

Você sente formigamento ou dor nos pés e mãos? Sabia que o diabetes e o pré-diabetes são as principais causas de queimação nos pés? Sim, uma glicemia alta ataca os nervos, causando neuropatia diabética. E quase metade dos diabéticos sofrem de neuropatia diabética.

A dormência começa nos pés e geralmente mostra um padrão de bota, onde a dormência sobe dos dedos dos pés para as pernas. E, algo interessante, quando a dormência atinge a panturrilha, é aí que os dedos das mãos se envolvem.

Se você tem esses pés quentes e formigantes e é diabético, e cuidado – se o nível alto de glicose danificar um nervo, isso também comprometerá sua visão e seus rins. E se você é homem, essas lesões nos nervos podem levar à impotência. Eu sei que pés quentes, dormência são desconfortáveis e dolorosos, mas isso pode ser um sinal de alerta de que seu corpo está sofrendo.

3º sintoma: infecções e inflamações frequentes

Quando a glicemia não é bem controlada, pode afetar o sistema imunológico, as defesas do seu corpo, aumentando o risco de infecções e inflamações.

Aquela pessoa que nunca teve nada, mas que começa a ficar doente. Tem uma pneumonia, uma infecção urinária, doenças de pele como furúnculos e foliculite, candidíase – sapinho na boca, nos órgãos genitais. Tem algo errado! E isso pode ser diabetes. O que os fungos gostam? De açúcar!

E eles estarão presentes em áreas quentes e úmidas, como boca, órgãos genitais, axilas e virilha. Eles geralmente coçam, mas podem causar dor e queimação local. Outro tipo comum de infecção em diabéticos é a gengivite. Porque uma glicemia alta também pode levar a uma alta glicemia na saliva, as bactérias se proliferam.

E essas bactérias podem causar não apenas a gengivite, mas também a periodontite, que é uma inflamação das gengivas e dos ossos que seguram os seus dentes. Se não for tratada, seus dentes podem se soltar e até cair.

O diabetes é um fator de risco importante para a periodontite; é cerca de três vezes mais comum em pessoas com diabetes. Então, se você está tendo muitas infecções, especialmente na boca, isso pode ser diabetes!

2º sintoma: visão embaçada

Você não está enxergando bem? Vê tudo embaçado, turvo? Isso pode ser diabetes. Novamente, se você tem uma glicemia alta, isso também aumenta a quantidade de açúcar dentro do olho. E como eu já disse, quando tem açúcar, ele puxa água.

Então, o cristalino do olho incha e muda de forma. Quando isso acontece, a imagem fica embaçada. É por isso que os diabéticos às vezes podem ter a visão embaçada. Manter a sua glicemia sob controle ajuda a manter seus olhos saudáveis.

Abrindo um parêntese aqui, o diabetes é uma das principais causas de cegueira em adultos em todo o mundo, aumentando o risco de retinopatia diabética, catarata e glaucoma.

1º sintoma: fome exagerada e perda contínua de peso

O diabetes pode te deixar com ainda mais fome do que o normal, especialmente por alimentos doces e açucarados, o que chamamos de hiperfagia diabética. A pessoa sente fome o tempo todo. Isso ocorre porque o corpo tem a sensação de falta de energia, aumentando a fome, numa tentativa de restaurar essa energia.

Também há mudanças hormonais na regulação do apetite, especialmente porque a insulina alta interfere no hormônio leptina, que ajuda a regular a sensação de saciedade. Com um baixo nível de leptina, a pessoa continua com fome mesmo depois de comer. E mesmo comendo, a pessoa pode perder peso. Isso porque a glicose não está sendo utilizada e pode ser eliminada na urina.

E como o corpo não é capaz de usar a glicose corretamente, ele tenta encontrar outras fontes de energia, destruindo os músculos. A pessoa perde peso e massa muscular juntos. Ufa, nenhum sintoma. Não sou diabético. Calma! Você pode ainda ser diabético ou pré-diabético.

Porque o diabetes é uma doença silenciosa. Muitas vezes não apresenta nenhum sintoma. 1 em cada 3 pessoas com diabetes no mundo não sabe que tem a doença! Mais de 16 milhões de brasileiros sofrem de diabetes e 40 milhões de pré-diabetes que, se não forem tratados, podem se tornar diabetes. Cerca de 10% da população adulta mundial tem diabetes.

É muito! E esses números só aumentam. Em 1980, havia 108 milhões de diabéticos em todo o mundo. Hoje, já são mais de 537 milhões. E por que a população de diabéticos está aumentando tanto? Há um fator principal – a obesidade!

A população está engordando e muito nos últimos anos. Principalmente por causa da nossa mudança na alimentação – estamos comendo muito mais do que antes e os alimentos estão cada vez mais ultraprocessados – pobres em fibras e ricos em calorias, corantes e aromatizantes. A dieta é obesogênica, ou seja, provoca a obesidade.

E a obesidade provoca o diabetes. A obesidade, especialmente a obesidade central (acúmulo de gordura abdominal), aumenta significativamente o risco de desenvolver diabetes.

Como saber se você é diabético ou pré-diabético!

Através de exames de sangue. O primeiro e mais comum é testar sua glicemia em jejum: o normal é inferior a 100 mg/dl. Entre 100-125 é pré-diabetes e diabetes é 126mg/dl. O segundo exame é a HbA1c que é a média dos últimos 10 semanas. O normal é inferior a 5,7. Entre 5,7% e 6,4% é pré-diabetes e diabetes é 6,5%. Entre 140-199 seria pré-diabetes e igual ou superior a 200mg/dl é diabetes. Claro, um exame não te diz simplesmente se você é diabético ou não. Você precisará confirmar com um novo exame e também verificar outros índices.

10 dicas para evitar se tornar diabético

Agora vou te dar 10 dicas para evitar se tornar diabético e, se você for diabético, controlar bem a sua glicemia e, quem sabe, até reverter a doença.

Dica 10: Durma bem

Para um diabético, dormir bem é tão importante quanto o que você come. Durma entre 7 e 9 horas por dia. Dormir mal aumenta o cortisol, o que piora a glicemia, dá mais fome, especialmente por junk food e doces, aumenta a resistência à insulina, piora a HbA1c. Tudo o que você não quer que aconteça.

Dica 9: Beba muitos líquidos

Principalmente água ou chás sem açúcar. Além de prevenir a desidratação, ajuda os rins a eliminar o excesso de açúcar pela urina.

Dica 8: Consuma mais fibras

As fibras retardam a absorção de carboidratos, evitando picos de glicemia.

Dica 7: Melhore sua flora intestinal

Principalmente consumindo alimentos fermentados que contêm probióticos como iogurte, kefir, chucrute e kimchi. Eles ajudam a melhorar os níveis de glicose e reduzem a inflamação e a resistência à insulina.

Dica 6: Monitore sua glicemia

É muito importante que você monitore sua glicemia para ajudar a gerenciar melhor e entender como seu corpo reage a certos alimentos.

Dica 5: Consuma mais alimentos ricos em magnésio e cromo

A deficiência de magnésio tem sido associada à resistência à insulina. Quais alimentos são ricos em magnésio? Folhas verdes escuras como espinafre e couve, sementes de abóbora, sementes de girassol, batata doce, amêndoas, castanha de caju, cereais integrais, lentilhas e feijões, abacates e bananas – especialmente a banana ouro. E o cromo? O cromo está envolvido no metabolismo de carboidratos e gorduras. Ele pode potencializar a ação da insulina, ajudando a regular a glicemia. Quais alimentos são ricos em cromo? Novamente: cereais integrais, frutas como maçãs e bananas, brócolis, alface, batatas e feijões, nozes, peito de peru e carnes.

Dica 4: Reduza o estresse em sua vida

O estresse piora sua glicemia. Porque aumenta o cortisol e a adrenalina, o que reduz a quantidade de insulina produzida pelo seu pâncreas e piora a resistência à insulina.

Os 3 principais conselhos para melhorar a glicemia

3º conselho: Exercite-se

Nossos músculos são responsáveis pela maior parte da absorção de glicose após uma refeição. E sabemos que o exercício reduz a glicemia e torna o corpo mais sensível à insulina. Uma maior sensibilidade à insulina significa que suas células podem usar sua glicose de forma mais eficiente. Faça exercícios aeróbicos – ande de bicicleta, caminhe, nade, corra. Mas também levante pesos para fortalecer seus músculos, além de seus ossos.

Dica 2: Reduza os carboidratos refinados da sua dieta

Então, farinha branca – massas, pão, arroz branco – devem ser muito reduzidos e o açúcar deve ser cortado. Serve demerara? Não. Serve orgânico? Não. Serve mascavo? Não. Se você é diabético, nenhum açúcar é bom. Evite também o mel, evite o chocolate ao leite, evite biscoitos, tente reduzir tudo o que não é integral, mas não corte os carboidratos que são bons para você, como frutas e legumes. Você pode reduzi-los um pouco, mas não corte, pois esse tipo de alimento contém muitos nutrientes e o protegerá a longo prazo.

Dica 1: Perca peso

Essa é a dica mais importante. A obesidade é o principal fator de risco para desenvolver diabetes tipo 2. Pessoas muito obesas têm 10 vezes mais chances de desenvolver a doença. E, por outro lado, perder peso pode até reverter o diabetes. A maioria dos diabéticos obesos que fazem cirurgia bariátrica não precisam tomar medicamentos para diabetes. Nos 2 anos após a cirurgia, até 85% dos pacientes ficam sem medicação para diabetes.

E a mesma coisa que estou te dizendo: um passo de cada vez. Se proponha uma meta, meça seu progresso e ajuste a meta ao longo do tempo, você também pode prevenir o diabetes se tiver tendência ou for pré-diabético e até, se for diabético, tente controlar bem sua glicemia, evitando suas complicações. E quem sabe, até mesmo reverter a doença!

Digitei

Saiba mais informações sobre o assunto de seu interesse nos artigos relacionados ou nas tags de postagem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *